BEM (vem) VINDO





ENTRE SEM BATER, TIRE OS SAPATOS E TRAGA ALGUMAS MOEDAS



sábado, 27 de novembro de 2010

feira de lembranças


Ouviu-se as folhas caírem, as camas quebrarem e os alfinetes da velha senhora no chão. Calou-se o chuveiro, as bolhas e o spray do perfume barato. Deixei para trás hábitos cobertores e desenhos em paredes mal pintadas colados com a saliva cansada das tardes. Presto agora atenção no que antes não prestava, simplesmente não prestava e todas as vezes que choraram os olhos lavou-se a alma. Do pranto nasceu o riso e das mão as flores do quadro sem fim do filme sem fala que pensamos em rodar... fez-se a grande estreia em noite sem lua e os aplausos nos lembraram certa vez em uma viagem... mas essa seria outra lembrança caída da cesta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigada por me ler. SEJA SEMPRE.